sábado, 14 de junho de 2008

Qual é a sua identidade?

Pertencemos a um mesmo movimento (batista regular). A mesma associação (seja estadual ou nacional). Temos o mesmo objetivo (adorar ao Senhor, contribuindo com a evangelização e a edificação para o crescimento de seu Reino). Usamos todos os mesmos princípios (através das Escrituras). Caminhamos na mesma estrada teológica (conservadora, isto é, não liberal, nem neo-ortodoxa). Além disso, pertencemos à mesma Ordem de Pastores; e nos cumprimentamos, com largos sorrisos, nos mesmos prédios, onde freqüentamos as mesmas reuniões, conferências, etc.

Por que não somos verdadeiros irmãos; trabalhando juntos, com autenticidade, verdade e alegria para o Senhor? Por que não servimos de modelo para os membros de nossas igrejas, revelando a harmonia da Igreja de Cristo, através de sua liderança?

Creio que o problema está na questão de nossa identidade!

Qual é a sua identidade? Eu sou batista regular, o que implica em:
Ser bíblico, assumindo os princípios do Senhor como diretriz para a vida.
Ser calvinista, crendo na graça de Deus.
Ser conservador, mantendo a linha teológica ortodoxa.
Ser dispensacionalista, fazendo distinção entre Israel e Igreja.
Ser pregador das Escrituras, enfatizando a pregação expositiva.

Historicamente, essa descrição identifica um batista regular. Você consegue enxergar seu retrato dentro desta moldura?

Como disse, creio que a dificuldade está em nossa identidade; pois apesar de pertencemos ao mesmo movimento, e freqüentarmos as mesmas reuniões, não compartilhamos das mesmas convicções. Diante disto o que fazer?

Alguns pregam a harmonia, mesmo que ilusória (ou seria hipócrita?): manter as aparências; manter a superficialidade ministerial, e comportamental. Daí as associações que nada produzem, ou edificam; assim como os seminários completamente sem diálogo, formando ministros com pesos e medidas distintas, aumentando a diferença na identidade do grupo.

Outros pregam a cisão (ou seria confusão?): brigar; separar, mantendo relações com quem pensa e age como nós. Daí as discriminações, as perseguições, e as programações bairristas. O resultado é o isolamento de muitos, e a aproximação de poucos, que pouco, nada, ou quase nada, ajuda.

O que fazer?

Temos, por exemplo, cinco seminários batistas regulares no Brasil. Após tantos anos de história, estes não possuem sequer diálogo. Chega a ser intrigante observar que mesmo quando presentes a uma associação nacional, sequer sentam para um bate-papo de dez minutos. Por quê? Será por questão de identidade, ou outras razões? E pensar que eles poderiam tanto ajudar um ao outro! Mas, ao contrário, parece que a política é a do esvaziamento. Já pensou se, pelo menos, uma vez em cada dois anos, seus dirigentes se encontrassem para um diálogo? Para trocarem informações, experiências, buscando aperfeiçoar o cumprimento de seu dever? No mínimo, serviria de exemplo para seus alunos, mostrando o esforço pela unidade em Cristo.

A associação nacional vem por aí! Será que teremos alguma novidade realmente edificante?
Ah! Qual é mesmo a sua identidade?

7 comentários:

Anônimo disse...

Que pena! É triste saber e ver isso acontecer. Por isso devemos orar por nossos lideres espirituais. São pecadores como nós. Porém pecados como estes tem
consequencias maiores, pois afetam todas as igrejas direta ou indiretamente e seus membros. Oremos para que Deus quebre estes corações.

Anônimo disse...

Olá pastor!

Tenho lido as postagens; li esta última. Só um comentario; ser calvinista não é ser batista regular "é ser Bíblico".

Abraços
Pr. Márcio
Sales Oliveira - SP

Wagner Amaral disse...

Obrigado Pr. Márcio!
Porém, como observei, "historicamente" ser batista regular implica em ser calvinista. Esta identificação faz parte (é fato) de nossa história. No entanto, é claro que o que dirige nossa teologia são as Escrituras; por isso, antes da identificação com o calvinismo, no texto, vêm a identificação com os princípios do Senhor, que servem como diretriz para a vida.
Grato pelo comentário.

Mozart Samuel Paulino disse...

Parece que a falta de identidade é algo natural para muitos.
Concordo com suas colocações, razão de eu pegar emprestado algumas de suas definições para melhor "deixar claro a identidade do meu blog".

Pastor Nathan disse...

Querido Pastor Wagner,
Obrigado pelas suas observações. Concordo com tudo que você disse menos um detalhe. Historicamente ser BR não quer dizer ser Calvinista. Sou muito envolvido com o movimento BR e não sou Calvinista, mas sim Biblicista.
Abraços,
Pastor Nathan

Wagner Amaral disse...

Pr. Nathan;

Sugiro que leia a história dos batistas, incluindo a dos regulares.
Todo o direcionamento histórico o conduzirá à identidade teológica dos "particulares", ou "calvinistas".
Um bom livro que o iniciará neste assunto é "Os Batistas e a doutrina da eleição", de Robert Selph, Editora Fiel.
É claro que temos o orgulho (santo) de sermos biblicistas. Porém, linha teológica seria um passo posterior à ser biblicista. E isto é inevitável. Sendo biblicista, o irmão trilhará por uma linha teológica. A linha teológica original dos batistas, incluindo os regulares, é calvinista. Fatos não podem ser mudados. E a história é conclusiva quanto a isto.

Grato pela contribuição.

André Cerqueira disse...

Algumas pessoas escondem sua identidade! As vezes por medo, ou por vergonha e/ou por serem maliciosas...Mas não vejo as coisas por outro prisma não, neste caso penso como o pastor. É assim mesmo...