quarta-feira, 18 de outubro de 2006

Petulante


Insolente este pequeno
Homem teimoso em ser grande
De espantoso atrevimento
Empaca, não indo adiante

Desavergonhado piazote
Letrado na arte do pecar
Acostumou-se ao bote
Não mais chorando ao errar

Imodesta criatura
Plenamente imatura

Ousado no reclamar
Revela incrível cegueira
Ao Criador querendo enfrentar
A criatura, uma toupeira


Pr. Wagner Amaral
19/09/2006
Sobre a vontade humana de ser Deus.

6 comentários:

Pier disse...

Por que será que mesmo conhecendo o meu Salvador Jesus, identifiquei em minha vida algumas circunstâncias que agi e reagi conforme o homem descrito neste poema?

Wagner Amaral disse...

porque "somos" homens, e não importa o tipo, perfil, ..., homem é homem. O que diferencia um do outro é a tonalidade destas semelhanças. Esta tonalidade é determinada pela distância de Deus.

Pier disse...

O quanto a distância pode estar relacionada com a maturidade pessoal e quanto com um determinado momento de forte pressão (tentação ou provação). Se é que há diferença.

Wagner Amaral disse...

"Renovar a mente para conhecer a boa e perfeita vontade do Senhor".
"Prosseguir para o alvo, a fim de conquistar aquilo para o que foi conquistado".
"Desenvolver a salvação, através do querer do Senhor".
Todas as recomendações indicam a necessidade de maturidade, que vem pelo conhecer a Deus e viver este conhecimento, torná-lo aplicável. E este viver inclui a necessidade de problemas. Diria que as pressões (provações) são o diferencial em nossa formação. Ao mesmo tempo que nos testa, nos fortalece, mantendo-nos na dependência de Deus (Tiago 1.2-4; Filipenses 4.10-13).

Wagner Amaral disse...

Ah, e o mais incrível! A "força" e vitória vêm em se considerar fraco e desprovido de inclinação à vencer.
"Quando sou fraco, sou forte...".

Anônimo disse...

Não sabia que era poeta. Apreciei muito as poesias. Especialmente esta sobre o homem e a sobre a língua. Gostei dos artigos também. Mas tenho uma queda por poesias. Um abraço, Almir